sábado, 25, maio, 2024
19 C
Cuiabá

Servidores do IFMT deflagram greve a partir da próxima segunda-feira (8)

Date:

DA REDAÇÃO

O Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) de Mato Grosso aprovou greve simultaneamente em 18 campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT).

A decisão foi anunciada em Assembleia Geral realizada na tarde desta segunda-feira (1), que contou com a participação de servidores e servidoras docentes e técnicos-administrativos que aprovaram a deflagração de Greve no IFMT, por tempo indeterminado, a partir do dia 8 de abril.

Entrarão em greve na próxima segunda-feira (8) os campi de Alta Floresta, Barra do Garças, Confresa, Bela Vista, Pontes E Lacerda, Primavera do Leste, Rondonópolis, Sorriso, Várzea Grande, Diamantino, Guarantã Do Norte, Sinop, Tangará da Serra e IFMT reitoria.

No campus de Lucas Do Rio Verde a greve foi aprovada com início para o dia 15 de abril e no IFMT de Campo Novo do Parecis a greve terá início no dia 22 de abril.

O campus do IFMT em Cuiabá aprovou a greve e realizará uma nova assembleia nesta quarta-feira (3) às 9h para redefinir a data de início, com base em prazos legais.

Somente o IFMT de Juína não aderiu a greve.

Demandas

O Sinasefe de Mato Grosso tem entre as demandas a reestruturação das carreiras dos Técnicos-Administrativos (PCCTAE) e docentes (EBTT), recomposição salarial das perdas inflacionárias, e a revogação de medidas que prejudicam os profissionais da educação, além da recomposição orçamentária dos Institutos Federais.

Entre as principais reivindicações dos servidores estão:

– Reestruturação da Carreira PCCTAE e da Carreira EBTT;

– Recomposição Salarial (34,32% para TAEs e 22,71% para Docentes);

– Recomposição do Orçamento das Instituições Federais de Ensino;

– Revogação de medidas prejudiciais à categoria.O

sindicato destacou uma série de fundamentos que justificam a decisão de deflagrar a greve, em especial a de o governo federal ignorou todas as propostas de recomposição salarial entregues pelas entidades do setor.

Além disso, as perdas salariais acumuladas entre 2010 e 2023 são consideradas alarmantes pelos servidores.

Apesar da proposta de negociação para recomposição das perdas salariais, o governo ofereceu reajuste zero em 2024, o que foi considerado inaceitável pela categoria. Outra questão crucial é o fato de o governo não ter atendido às reivindicações de equiparação dos auxílios com outros poderes, deixando os servidores em desvantagem.

Adicionalmente, o PCCTAE não teve uma atenuação significativa das suas perdas com o aumento emergencial de 2023, impactando diretamente o poder de compra dos trabalhadores e das trabalhadoras.

Por fim, os servidores apontam o subfinanciamento contínuo dos Institutos Federais como fator que afeta diretamente a qualidade da educação oferecida, contribuindo para a decisão de deflagrar a greve por tempo indeterminado.

“A valorização da categoria e das carreiras é essencial para a valorização da Educação, o que demanda a reestruturação das carreiras PCCTAE e EBTT para corrigir defasagens e distorções históricas, além da recomposição das perdas inflacionárias que corroeram o poder de compra nos últimos anos”, afirma o coordenador geral do Sinasefe Seção, Roni Rodrigues.

Matéria por: MidiaNews

Compartilhe:

Popular

More like this
Related

CRC/MT apresenta lista de municípios que estão com fundos irregulares

Vinte municípios de Mato Grosso estão impossibilitados de serem...

Reforma do Arquivo Público de Mato Grosso é marcada por homenagem a servidora da carreira.

O Sinpaig marcou presença de destaque na cerimônia de...

Ampliado o Prazo para Recadastramento no MTPrev Garantindo o Atendimento Integral aos Servidores

O prazo para o recadastramento junto ao MTPrev foi...

Tesoureiro do SINPAIG despacha com Presidente do MT Saúde

Na última quinta-feira (19/04), o tesoureiro do Sinpaig ,...
Feito com muito 💜 por go7.com.br